Controle de Processos

Newsletter

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,23 5,23
EURO 5,51 5,52

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Notícias

Órgão Especial declara inconstitucionalidade de artigos de leis municipais que criaram cargos comissionados e funções gratificadas em Petrópolis

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro decidiu pela inconstitucionalidade de vários artigos de três leis do Município de Petrópolis que criaram diversos cargos comissionados e funções gratificadas de “assessores jurídicos” para atuação nos quadros das secretarias municipais. As leis também criavam outros cargos de chefes de departamentos jurídicos e procuradores adjuntos com atribuições de representação judicial ou consultoria jurídica. Os magistrados acompanharam por ampla maioria o voto do relator, desembargador Benedicto Abicair.   A representação por inconstitucionalidade foi ajuizada pela Procuradoria-Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro em relação a vários artigos das leis municipais nº 7.200/2014; nº 7.510/2017; e nº 7.512/2017. Em seu voto, o relator destacou que o artigo 176, caput, da Constituição do Estado do Rio de Janeiro estabelece que as atividades de representação judicial e de consultoria são reservadas aos procuradores. “É inconstitucional a lei que atribua a agente estranho aos quadros da carreira o exercício de advocacia pública, excetuando-se, unicamente, o Procurador-Geral do Município – que poderá ser um comissionado extraquadro, se a legislação municipal assim permitir. (...) Em complementação, o artigo 363, caput e parágrafo único, da CERJ assegura a possibilidade de criação de cargos de “assistentes jurídicos”, ressalvando, expressamente, que lhes são vedadas a representação judicial e a consultoria jurídica, visto que são atividades privativas dos Procuradores. ” Também foi declarado inconstitucional o dispositivo de lei do Município de Petrópolis que tentava evitar a análise técnica da Procuradoria sobre atos municipais de cunho jurídico, ao dispensar a manifestação da Procuradoria-Geral do Município em órgãos da Administração Pública nos quais houvesse “assessoria jurídica”.   De acordo com a decisão, foi considerado constitucional, apenas, artigo 27, inciso I, da Lei n° 7.510/2017, que tratava do cargo em comissão de Secretário Chefe do Gabinete do Prefeito, já que, nesse caso, o cargo em comissão foi instituído de modo legítimo, em consonância com os ditames constitucionais e sem se confundir com as atribuições próprias da carreira de Advocacia Pública municipal. Processo nº 0072292-51.2018.8.19.0000 JM
23/06/2022 (00:00)
Visitas no site:  362639
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.